O ministro da Presidência, Luís Marques Guedes, afirmou hoje que apesar de o valor «exato» do défice referente a 2013 ser apurado em definitivo em março deste ano, este irá situar-se num valor próximo dos 5%.

«Apesar de o valor exato do défice de 2013 só ser apurado em definitivo em março, pode-se dizer com confiança que o défice ficará num valor à volta dos 5%, sendo que fica cerca de 1.750 milhões de euros abaixo do limite inscrito no Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF)», afirmou Marques Guedes em conferência de imprensa semanal após a reunião do Conselho de Ministros.

Para o ministro da Presidência, que reagia aos dados da síntese da execução orçamental de 2013, hoje publicada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), «pode dizer-se com tranquilidade que foi uma execução orçamental muito boa e com efeitos positivos».

O défice provisório das administrações públicas ascendeu a 7.151,5 milhões de euros em 2013, tendo sido cumprida a meta para o conjunto do ano, anunciou hoje o Governo.

De acordo com a síntese da execução orçamental de 2013, hoje publicada pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), para efeitos do Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF), o défice em 2013 ficou abaixo do acordado em 1.748,5 milhões de euros, pelo que a meta foi cumprida.

No entanto, em contabilidade pública, o saldo das administrações públicas no final de 2013 foi de -8.730,9 milhões de euros, acima dos -7.134,6 milhões de euros registados em 2012.