A dívida pública aumentou 72 pontos percentuais do Produto Interno Bruto (PIB) entre 1999 e 2012, sendo que o maior aumento (52 pontos) decorreu nos últimos quatro anos do período, estima o Conselho de Finanças Públicas (CFP).

Na primeira edição da série «Apontamento» do CFP, hoje publicada, a instituição liderada pela economista Teodora Cardoso indica que «o nível de dívida pública registou um aumento assinalável desde o final dos anos noventa, altura em que se encontrava abaixo do limite de Maastricht», de 60% do PIB, valor que foi ultrapassado a partir de 2004.

O rácio da dívida pública portuguesa passou dos 72% no final de 2008 para os 124% em 2012, um aumento de 52 pontos percentuais, resultante dos acréscimos anuais que «foram sempre superiores a 10 pontos percentuais», tendo sido o rácio da dívida também penalizado pela quebra do PIB nominal neste período.

O CFP explica que esta evolução da dívida pública se deveu sobretudo ao endividamento das entidades que já integravam o universo das administrações públicas em 2008, o que explica 44 pontos do acréscimo registado de 52 pontos do rácio da dívida sobre o PIB entre 2008 e 2012.

Os restantes oito pontos percentuais ficaram a dever-se ao aumento do endividamento das entidades e operações reclassificadas e também ao endividamento em que o Estado incorreu para garantir o financiamento das empresas públicas reclassificadas.