O indicador de clima económico diminuiu ligeiramente em novembro e dezembro, após estabilizar no máximo desde julho de 2008, de acordo com os dados divulgados esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística.

No mês de referência, o indicador de confiança diminuiu no Comércio, estabilizou na Indústria Transformadora e na Construção e Obras Públicas e aumentou nos Serviços.

Já o indicador de confiança dos consumidores estabilizou em dezembro. É o valor mais elevado desde maio de 2002, suspendendo a acentuada tendência ascendente registada desde o início de 2013.

No mês de referência, observou-se um contributo positivo das expectativas relativas à evolução da situação financeira do agregado familiar e da poupança, enquanto as perspetivas sobre a evolução do desemprego e da situação económica do país contribuíram negativamente.

Sem a utilização de médias móveis de três meses, o indicador de confiança agravou-se em dezembro, refletindo o contributo negativo de todas as componentes, com exceção das expectativas relativas à evolução da situação financeira do agregado familiar.