O indicador de clima económico melhorou em Março, após ter estabilizado no mês anterior, enquanto a confiança dos consumidores voltou a fixar máximos de 13 anos, suportada principalmente nas expectativas positivas sobre a evolução do desemprego, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística.

O INE adiantou que o indicador de clima económico subiu para 0,6 em Março de 2015, versus 0,3 em Fevereiro.
Também o indicador que mede a confiança dos consumidores, apesar de ainda estar em valores negativos, melhorou para -19,2 no terceiro mês de 2015, versus -21,2 no mês anterior.

«O indicador de confiança dos Consumidores aumentou em Março, registando o valor mais elevado desde Abril de 2002 e prolongando o acentuado perfil ascendente observado desde o início de 2013», referiu o INE.

A melhoria deste indicador «refletiu o contributo positivo de todas as componentes, mais expressivo no caso das perspetivas sobre a evolução do desemprego».

Realçou que o indicador de clima económico aumentou em Março, após ter estabilizado em Fevereiro, frisando que o indicador de confiança na Indústria Transformadora, na Construção e Obras Públicas e no Comércio melhorou, ao passo que nos Serviços diminuiu.

Portugal superou uma cavada recessão em 2014, ano em que terminou um doloroso resgate internacional, com a economia a expandir 0,9% do PIB.

O défice de Portugal fixou-se nos 4,5% do produto interno bruto em 2014, dentro da meta do Governo e melhorando face aos 4,8% em 2013.

O Banco de Portugal prevê um crescimento do PIB de 1,7% em 2015 e o Governo um défice de 2,7%.