A valorização dos setores do comércio e serviços num contexto de crise económica será um dos desafios para os próximos quatro anos assumidos pelo presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), Vieira Lopes, hoje reeleito.

As associações empresariais do setor terciário elegeram hoje a direção da CCP para o próximo quadriénio, com 236 votos favoráveis, entre um total de 240, que vai continuar a ser presidida por João Vieira Lopes.

«O principal desafio prende-se com o modo de conseguirmos valorizar estes setores [do Comércio e Serviços] num contexto de crise, uma vez que ambos são importantes para a economia e tem havido uma desvalorização do peso do setor dos Serviços nas exportações», disse à Lusa Vieira Lopes.

O presidente reeleito da CCP, João Vieira Lopes, candidatou-se a um segundo mandato com três grandes objetivos: afirmar o papel do Comércio e Serviços como setores chave para a recuperação económica, melhorar a independência e a sustentabilidade financeira do movimento associativo do setor e dinamizar a atividade da CCP e das suas Associações.

A lista única candidata às eleições, que integra 36 associações, foi formada com base nos critérios de representatividade geográfica e setorial consagrados nos estatutos da Confederação.

A candidatura, denominada «Continuidade e Renovação», inclui estruturas setoriais do comércio e dos serviços como a Associação Nacional de Farmácias, a Associação Automóvel de Portugal, a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal, a Associação Nacional de Jovens Empresários, a Associação Portuguesa das Empresas do Sector Privado de Emprego e a ANTROP - Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros.

A Confederação do Comércio e Serviços de Portugal assume-se como a maior confederação empresarial do país, representando 103 entidades associativas e empresariais do setor terciário e mais de 200 mil empresas.