projetos considerados “não essenciais”

refere que só na Europa há oito milhões de carros com os motores equipados com o software em causa, e admite entregar veículos novos

já podem consultar