A Comissão Europeia e a presidência grega da União Europeia (UE) manifestaram hoje confiança na aprovação do mecanismo único de resolução de bancos até às eleições para o Parlamento Europeu, em maio, apesar das divergências ainda existentes.

«Faremos todos os esforços para que seja alcançado um acordo entre todas as partes», afirmou o ministro das Finanças da Grécia, Ioannis Stournaras, país que durante o primeiro semestre de 2014 assume a presidência da UE, no final da reunião do Ecofin, em Bruxelas.

Stournaras apontou o aprofundamento da união bancária como um dos maiores desafios da presidência grega, a par do reforço do crescimento, da competitividade e do emprego no espaço europeu.

O responsável pela pasta das Finanças da Grécia sublinhou ainda que as reuniões do Ecofin (ministros das Finanças da UE) dos próximos meses serão «cruciais» para fechar esta reforma.

Também os comissários europeus Olli Rehn e Michel Barnier voltaram a manifestar a confiança do executivo comunitário na aprovação do mecanismo de resgate dos bancos até ao fim da primavera.

Barnier, comissário do Mercado Interno, congratulou-se com a «abertura e flexibilidade» revelada pelos ministros das Finanças dos 28 e disse esperar que o novo mecanismo seja «eficaz, credível e rápido a atuar».

«Ainda não chegámos lá, mas fiquei muito satisfeito com o ambiente positivo da reunião», afirmou o francês.