A Comissão Europeia disse hoje ser muito cedo para discutir o fim do programa de assistência a Portugal, incluindo taxas de juro, e sublinhou que «ainda há muito trabalho pela frente» até meados de 2014.

«Não temos qualquer valor específico em mente, analisaremos o assunto quando for a altura certa (...) os valores e as perspetivas para um acesso sustentável [de Portugal] aos mercados. Na opinião da Comissão Europeia é muito cedo para se fazer esta discussão, estamos totalmente concentrados no apoio ao Governo português na implementação do programa de assistência, que acabou muito recentemente as 8.ª e 9.ª avaliações», afirmou em Bruxelas o porta-voz dos Assuntos Económicos da Comissão, Simon O'Connor.

Simon O'Connor falava durante a conferência de imprensa diária da Comissão Europeia, depois de questionado sobre as declarações do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, que afirmou no domingo, na Índia, que um segundo resgate «é evitável» desde que as taxas de juro a 10 anos igualem ou fiquem abaixo dos 4,5%.

«Todas as questões sobre a conclusão do programa de ajustamento e a saída de Portugal vão ser discutidas na altura devida, que não é agora», reforçou o porta-voz do comissário europeu Olli Rehn.