Para o executivo comunitário, “há ampla margem para [Portugal realizar] mais reformas para modernizar a administração fiscal e para melhorar o cumprimento das obrigações fiscais pelos contribuintes”.










Nas recomendações feitas a Portugal, Bruxelas considera que é preciso “melhorar a eficiência dos serviços públicos de emprego”, nomeadamente estendendo o seu alcance a jovens não registados.