Numa carta de 59 páginas enviada pela Comissão Europeia à comissão parlamentar de inquérito ao Banif, Bruxelas critica a forma como o governo anterior e o Banco de Portugal geriram esse dossiê. Os detalhes do documento vêm espelhados no Público e no jornal i desta quarta-feira, sendo que ontem já tinha sido noticiado parte do mesmo.

A Comissão Europeia lamenta que os vários planos de reestruturação apresentados pelo Governo PSD-CDS não fossem coerentes para permitir a viabilidade do banco, apesar da insistência da Comissão. Os ministros das Finanças pelos quais a pasta Banif circulou foram Vítor Gaspar, até julho de 2013, e Maria Albuquerque, depois disso.

“Desde que a aprovação temporária da ajuda do Estado foi aprovada em Janeiro de 2013, a Comissão instou repetidamente Portugal a agir no caso Banif”.

 

"As diferentes versões tinham em comum, entre outras coisas, dados de muito fraca qualidade, projecções de rentabilidade irrealistas e sem fundamento”. 

Quanto ao Banco de Portugal, Bruxelas lembra, por exemplo,  que o supervisor da banca repetiu várias vezes que o Banif era um banco viável.

Ontem, pela terceira vez na comissão de inquérito, o atual ministro das Finanças admitiu que a resolução do Banif podia ter avançado para 2016, mas garantiu que os custos seriam maiores.

CGD sem capacidade para absorver Banif

Na mesma carta, a Comissão Europeia considera que as recentes notícias sobre as necessidades de capital da Caixa Geral de Depósitos parecem demonstrar a sua incapacidade para absorver o Banif, em dezembro, sem injeção de capital público.

"A Comissão deu conta das atuais notícias sobre as grandes necessidades de capital da CGD, numa base individual. Isto parece confirmar a visão dos serviços da Comissão em dezembro de que a CGD não teria capacidade para absorver e reestruturar as operações do Banif", afirma.

"Se a CGD recebesse mais capital (na forma de auxílio estatal) para integrar o Banif, isto teria espoletado a resolução da própria CGD, segundo as regras da Diretiva da Recuperação e Resolução Bancária".