Os deputados da Comissão de Trabalho e Segurança Social vão chamar representantes do Banco de Portugal e do Fundo de Resolução ao Parlamento para explicarem o processo de reestruturação do Novo Banco e a saída de centenas de trabalhadores.

Os convites a estas duas entidades foram aprovados por unanimidade pelos grupos parlamentares, tendo os deputados votado também favoravelmente o pedido de elementos adicionais à Comissão Nacional de Trabalhadores do Novo Banco, para que esta informe se foi contactada ou não pela administração do Novo Banco antes de se iniciar o processo de rescisões de funcionários.

Será ainda pedida informação ao Governo sobre os assuntos referentes aos trabalhadores e redução de efetivos que consta da carta de compromisso firmada entre o executivo e a Comissão Europeia e na qual se baseia a reestruturação do Novo Banco.

O presidente do Novo Banco, Stock da Cunha, foi ouvido esta terça-feira pelos deputados da Comissão de Trabalho e Segurança Social sobre a saída de centenas de trabalhadores da instituição que dirige.

Até ao momento, disse, 200 pessoas já aceitaram a rescisão por mútuo acordo e no total deverão aceitar 350, pelo que o banco vai avançar com o despedimento coletivo de 150 trabalhadores. Os trabalhadores que não aceitarem sair por rescisão amigável poderão ser despedidos.