A greve dos trabalhadores da CP deixou, este domingo, parados 704 dos 785 comboios que deviam circular, ou seja 90% do total, prevendo-se que na segunda-feira o cenário seja semelhante, disse fonte da transportadora ferroviária.

As ligações regionais, sem comboios durante todo o dia, foram fortemente penalizadas, bem como os serviços urbanos de Lisboa e do Porto.

Na capital, circularam 40 dos 319 comboios previstos e no Porto apenas seis de um total de 152.

Nas viagens de longo curso, efectuaram-se sete ligações Alfa e 23 InterCidades, ou seja, metade dos 60 comboios programados.

A CP perspetiva igualmente fortes perturbações da circulação na segunda-feira, data em que se cumpre o segundo dia de greve dos revisores, antecipando que venham a ser suprimidos entre 80 a 90% dos comboios, sobretudo nas ligações regionais e urbanas.

A paralisação de hoje foi convocada pela Federação do Sindicato dos Transportes e Comunicações (FECTRANS) e faz parte de uma ação que tem decorrido nos últimos meses de greve aos dias de feriado e horas extraordinárias.

Alguns revisores, que na quinta-feira fizeram um primeiro dia de greve, aderiram à ação de sexta-feira (feriado), de sábado (horas extraordinárias) e de hoje (feriado e horas extraordinárias), seguindo assim o apelo do Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial Itinerante (SNTSF).

Na quinta-feira e na sexta-feira, a percentagem de viagens anuladas ultrapassou os 80% e hoje ronda os 90%.