Uma cidadã alemã, residente em Colónia, está a processar a Volkswagen por ter sido enganada quanto às baixas emissões de gases poluentes do seu veículo, o primeiro caso do género desde que o escândalo foi descoberto.

A mulher, cuja identidade não foi divulgada, reclama que o as baixas emissões foram um fator decisivo quando decidiu comprar o seu VW Sharan, com um motor 2.0 TDI, em 2010, por 42 mil euros, e agora pede que a compra seja anulada.

Segundo a agência Reuters, que cita a advogada Sascha Conradi, da firma Jordan Fuhr Meyer, que representa a mulher, uma reparação no software do veículo não será suficiente para compensar a sua cliente, por temer que a alteração afete a performance do veículo –a nível da aceleração, velocidade máxima, entre outros aspetos.

“A utilização de um veículo que não tem emissões baixas é inaceitável para a queixosa”, disse Conradi.


A porta-voz da Volkswagen, contactada pela Reuters, recusou-se a comentar este caso, que ainda desconhece.

Um total de oito millhões de veículos da Volkswagen, vendidos na União Europeia, foram equipados com um “kit” que baixava os valores das emissões poluentes dos automóveis quando testadas.

O escândalo relacionado com a manipulação das emissões de gases poluentes pela Volkswagen tem proporções mundiais e em Portugal existem 94.400 veículos afetados

O novo CEO da Volkswagen, Matthias Muller, disse esta quarta-feira que a reparação de veículos deverá arrancar em janeiro e estar concluída até ao final de 2016.

As marcas VW, Seat, Audi e Skoda em Portugal já tomaram medidas para compensar os clientes afetados (clique nos links para saber se tem um dos veículos com o “kit fraudulento”).