O BCP já apresentou ao Banco de Portugal o seu plano para recomprar parte das obrigações convertíveis ("CoCo") que estão nas mãos estatais, aguardando a devida autorização para consumar a operação, revelou o presidente Nuno Amado, esta segunda-feira.

«Temos um plano para repagar 400 milhões de euros, apresentámo-lo ao Banco de Portugal e aguardamos autorização. Pede quem deve, autoriza quem pode», afirmou o banqueiro durante a apresentação das contas do primeiro trimestre do BCP.

«Estamos de acordo com o plano» de reestruturação aprovado pelas autoridades, vincou, acrescentando que neste momento resta ao banco aguardar pela decisão da entidade liderada por Carlos Costa.

«O nosso objetivo é pagar, o mais cedo possível, as "CoCo" que tivermos, mas isso depende de uma série de fatores, incluindo os impostos diferidos», realçou.

O gestor salientou que «o principal objetivo do banco é cumprir o que está definido no plano de reestruturação», que permite o pagamento dos CoCo até ao final de 2016.

«Face aos custos elevados, é óbvio que, havendo condições para pagar antes, temos que cumprir a nossa obrigação e ir pagando a um ritmo mais rápido», lançou.

Certo é que, na opinião de Nuno Amado, «este ano é um ano-chave» para o BCP.

«É um ano em que se espera a inversão de tendência do BCP e a mudança de supervisão do Banco de Portugal para o Banco Central Europeu (BCE)», justificou.

Em fevereiro, por altura da divulgação dos resultados de 2013, Nuno Amado tinha revelado que o BCP pretendia concluir esta operação ainda no primeiro semestre do ano.

Segundo o banqueiro, o objetivo do BCP é iniciar este processo o quanto antes, até devido aos custos elevados que tem de suportar com os juros associados à ajuda estatal (as chamadas "CoCo bonds").

Só no ano passado, os custos do BCP referentes aos instrumentos híbridos que estão na posse do Estado ascenderam a 269 milhões de euros (face aos custos de 134,9 milhões de euros assumidos neste item pelo BCP em 2012).

Em junho de 2012, o Estado português subscreveu 3 mil milhões de euros de "CoCo" do BCP.