“Se António Costa não conseguir demonstrar o acordo (que pelos vistos ainda não tem) com os dois partidos que diz ter - BE e PCP- se não o tiver, fica duvidosa a razão pela qual vai chumbar o próximo Governo ou não viabilizar o próximo Governo. É uma equação que aguardamos para ver qual a solução, admito que o bom senso ainda venha a imperar e que possamos ter no quadro parlamentar algumas surpresas agradáveis de estabilidade porque é disso que o país necessita”, afirmou.  





“Receamos que por aquilo que é conhecido das condições que quer o Bloco, quer o PCP, colocam para que deem acordo ao Partido Socialista para essa maioria parlamentar, receamos que algumas dessas medidas venham ao arrepio daquilo que tem sido feito e que possa pôr em causa a recuperação e que possa regredir alguma da legislação que tão dificilmente foi possível obter e não para melhorar uma classe em detrimento de outra, mas sim para melhorar a competitividade do nosso país, estou a falar nomeadamente da legislação laboral”, sublinhou.