O Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou o empréstimo de 17 mil milhões de dólares (cerca de 12 milhões de euros) à Ucrânia para ajudar a economia do país.

O empréstimo está dependente de reformas económicas, que incluem aumentos de impostos e dos preços da energia.

Segundo a agência Reuters, o primeiro empréstimo será de 3,2 mil milhões de dólares (cerca de 2,3 mil milhões de euros) e será disponibilizado imediatamente, enquanto o restante será dividido ao longo de dois anos.

Christine Lagarde, a presidente do FMI, afirmou que a entidade vai verificar, regularmente, se a Ucrânia está a cumprir com as imposições relacionadas com o empréstimo.

A ajuda do FMI vai, também, desbloquear um total de 10,8 mil milhões de euros emprestados por países como os Estados Unidos, Canadá, Japão, e entidades como o Banco Mundial.

A Ucrânia parece estar disposta a cumprir as exigências da entidade comandada por Lagarde, uma vez que ainda em março o governo já havia aumentado em 50% o preço do gás, e já concordou em congelar o salário mínimo.