O Fundo Monetário Internacional anunciou esta sexta-feira ter pago a última tranche de ajuda à Irlanda, abrindo caminho para o fim do plano de ajuda internacional.

O Fundo desbloqueou 650 milhões de euros a favor da Irlanda, elevando para 21,8 mil milhões o total desde o início da ajuda, em 2010, indicou a instituição em comunicado citado pela Lusa.

A Irlanda foi o primeiro país da zona euro sob assistência financeira a livrar-se da ajuda acordada pelo FMI e pela União Europeia e que teve como consequência políticas drásticas de austeridade.

O país, muito devido a políticas dos bancos, foi obrigado a socorrer-se da ajuda de 85 mil milhões de euros para evitar a falência.

A 13.ª e última tranche dos 21,8 mil milhões desembolsados pelo FMI a favor de Dublin segue-se à também última tranche entregue pela União Europeia.

«A implementação sem falhas das reformas por parte das autoridades irlandesas permitiu alcançar os principais objetivos do programa: estabilizar o setor financeiro, melhorar significativamente a situação orçamental, e recuperar o acesso aos mercados» financeiros, disse a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, citada num comunicado da instituição.

A Irlanda saiu da recessão, mas o crescimento económico é diminuto e a taxa de desemprego situa-se nos 12,5 por cento.

O país «está ainda confrontado com grandes desafios», afirmou Lagarde, manifestando também dúvidas sobre a sustentabilidade da dívida pública.

A responsável do FMI felicitou a decisão das autoridades de Dublin de porem de parte um novo mecanismo de assistência.