O FMI volta a Portugal em junho para realizar a quarta missão de monitorização pós-programa, cujos trabalhos vão decorrer ao mesmo tempo que os do Artigo IV, que prevê análises regulares às economias que fazem parte do Fundo.

O anúncio foi feito esta quinta-feira pelo porta-voz do Fundo Monetário Internacional (FMI), Gerry Rice, em conferência de imprensa na sede da instituição liderada por Christine Lagarde, em Washington.

Questionado sobre as perspetivas para a avaliação que será levada a cabo pela equipa técnica do FMI em Lisboa, tendo em conta que Portugal continua sem cumprir as metas do défice orçamental, Rice apenas se limitou a afirmar que "em algumas semanas haverá a consulta a Portugal ao abrigo do Artigo IV" e que, nessa altura, o Fundo, vai "levar em consideração todos estes assuntos e muitos mais".

Todas as questões serão respondidas nessa altura", afirmou Rice.

Fonte do FMI acrescentou à Lusa que os técnicos do Fundo vão estar em Lisboa durante duas semanas, um período mais longo do que o habitual, de 15 a 30 de junho, uma vez que, desta vez, vão combinar os trabalhos das missões de monitorização pós-programa e do Artigo IV.

A equipa e os economistas do FMI vão visitar o país em junho para avaliar os desenvolvimentos económicos e financeiros e encontrar-se com o Governo e representantes oficiais do Banco de Portugal.

O Governo português anunciou esta semana que já tem autorização para fazer o reembolso antecipado ao FMI de 6.600 milhões de euros. O FMI, contudo, não informou se já tem alguma previsão de quando irá receber aquele montante.

A 30 de março, o Conselho de Administração do FMI concluiu o terceiro processo de monitorização pós-programa de Portugal e divulgou que as condições macroeconómicas "altamente acomodatícias" geraram um crescimento apenas modesto face aos impedimentos estruturais remanescentes.

Em 2015, as baixas taxas de juro, a debilidade do euro e os baixos preços do petróleo permitiram que o crescimento chegasse a 1,5%. O PIB deve crescer apenas 1,4% neste ano e moderar-se, recuando para 1,2% no médio prazo, previu na informação divulgada na ocasião. Ao que parece, "Portugal não alcançou a meta do défice orçamental de 2015", informou o comunicado de março. O corpo técnico estima um défice de 4,4% do PIB para o ano inteiro, em comparação com a meta do orçamento de 2,7%.

A última consulta a Portugal ao abrigo do Artigo IV foi divulgada em maio de 2015 quando o Conselho de Administração do Fundo louvou as autoridades portuguesas pelas conquistas alcançadas ao longo dos últimos anos "em termos de melhoria do saldo orçamental e da balança corrente, preservação da estabilidade financeira e reconquista do acesso aos mercados". Na ocasião, louvaram também a decisão das autoridades de antecipar o reembolso do empréstimo do FMI.