A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, considerou esta quinta-feira que há um «risco sério» de nova recessão na zona euro se nada for feito para o impedir.

«Não estamos a sugerir que a zona euro caminha para uma recessão, mas dizemos que há um risco sério de isso acontecer se nada for feito», declarou Lagarde numa conferência de imprensa à margem da assembleia geral do FMI em Washington.

Segundo Lagarde, a probabilidade de uma nova contração económica na zona euro é avaliada pelo FMI «entre 35 e 40%».

Mas, «se as decisões corretas forem tomadas, se os países em défice e os que têm excedentes fizerem o que têm a fazer, isso pode ser evitado», acrescentou.

Na terça-feira, o FMI reviu em baixa as previsões de crescimento para a zona euro que fizera em julho e passou-as para 0,8% este ano e para 1,3% em 2015, advertindo para a estagnação da atividade e para a inflação baixa na região.

Para Lagarde, «uma parte muito pequena» desta redução está relacionada com o impacto económico da crise ucraniana e com as sanções adotadas contra Moscovo.

Na terça-feira, o economista chefe do FMI, Olivier Blanchard, já tinha afirmado que a zona euro pode tornar-se «o principal problema» da economia mundial se os riscos de deflação se materializarem.