O cheque-formação vai poder ser usado pelas empresas para pagarem ações de formação que já são obrigatórias por lei, revela o Jornal de Negócios.

As regras deste instrumento, criado pelo Governo para financiar a qualificação de trabalhadores e de desempregados, foram publicadas esta segunda-feira no Diário da República.

O Estado tem cerca de 67 milhões de euros para distribuir até 2020 junto de empresas, para financiar cerca de 180 mil ativos e 35 mil desempregados.

Entre empresas e os ativos o apoio máximo será de 175 euros por trabalhador a cada dois anos.