O secretário-geral da CGTP acusou esta quarta-feira em Coimbra, o Governo de colocar em marcha um «bluff enormíssimo» ao transmitir a mensagem de que a situação económica está a melhorar e de que a saída da troika será positiva.

«O país não está numa lógica de melhoria e depois da saída da troika vamos ser confrontados com uma dupla: Banco Central Europeu e Comissão Europeia», alertou Arménio Carlos, que falava num plenário de trabalhadores do setor de alimentação do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

Segundo o secretário-geral da CGTP, depois da saída da troika Portugal vai continuar a ter «uma política nociva para os trabalhadores e os credores aqui instalados a reclamar mais redução da despesa social, mais redução de direitos e mais redução de salários».

«O exemplo da reunião da concertação social de hoje aponta para isso, para uma nova versão da facilitação dos despedimentos por extinção do posto de trabalho. O que, na prática, estão a tentar não é mais do que tornar legal aquilo que é ilegal e inconstitucional, nomeadamente o despedimento sem justa causa», sublinhou à agência Lusa.

Para Arménio Carlos, se Portugal quer melhorar não é «facilitando os despedimentos, reduzindo as indemnizações, os salários, os rendimentos dos trabalhadores, das famílias, mas sim com uma política que crie emprego com direitos, melhore salários, assegure a manutenção dos jovens no país e garanta o reingresso dos desempregados de longa duração e o respeito pelos reformados e pensionistas».

A reunião com trabalhadores do setor de alimentação dos CHUC, a que seguiram outras esta tarde no distrito de Coimbra, insere-se na preparação da manifestação agendada pela CGTP para o próximo sábado em todas as capitais de distrito.