A CGTP alertou hoje para destruição de 617 mil postos de trabalho entre 2008 e 2014, o que corresponde a 12,1% do emprego total, e considerou que o direito ao trabalho é cada vez cada vez mais limitado.
 

"Nos últimos anos houve uma destruição de emprego sem precedentes em Portugal. Entre 2008 e 2014 foram destruídos 617 mil postos de trabalho, correspondendo a 12,1% do emprego total", diz um pequeno estudo feito pela central sindical com base em dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), a que a agência Lusa teve acesso.


De acordo com a análise feita, na Administração Pública a quebra de emprego "foi ainda mais violenta: 9,8% em apenas três anos", entre 31 de dezembro de 2011 e 31 de dezembro de 2014.

Ao mesmo tempo, o desemprego em Portugal aumentou, passando de 418 mil desempregados em 2008 para 726 mil em 2014, e a taxa de desemprego cresceu de 7,6% em 2008 para 13,9% em 2014, chegando a ultrapassar os 16% em 2013, de acordo com o INE.

Entre os jovens com menos de 25 anos a taxa de desemprego passou de 16,7% em 2008 para 34,8% em 2014.

O desemprego de longa duração (mais de 12 meses) cresceu em quase todos os anos do período em análise o que, segundo a CGTP, mostra que "os desempregados têm grandes dificuldades de se reinserirem no mercado de trabalho e, mais ainda, em empregos com qualificações e condições equiparáveis às dos empregos que perderam".

O desemprego de longa duração atingiu cerca de dois em cada três desempregados (65,5% em 2014 face a 49,9% em 2008) e o desemprego de muito longa duração (24 meses) atingiu 44% dos desempregados face a 28,3% em 2008.

"Este crescimento ocorre no mesmo período em que se reduziu a proteção social no desemprego", considera a CGTP, criticando as políticas seguidas pelos últimos governos.


Para a Intersindical, estas políticas "que conduziram o país à recessão" também incentivaram a emigração "como um meio de ajustamento económico".

Entre 2011 e 2014 saíram de Portugal mais de 485 mil trabalhadores em busca de melhores condições de vida e de trabalho.

"Neste quadro, a CGTP-IN apresentou uma Petição na Assembleia da República subscrita por 27 486 trabalhadores, exigindo resposta para um problema que afeta mais de um milhão de portugueses", justifica a central sindical.


A petição da CGTP, que defende a atribuição do subsídio social de desemprego a todos os desempregados que já não tenham proteção, vai ser hoje discutida no plenário parlamentar.