Depois do BES e do Banif, já sem falar do BPN ou do BPP, João Salgueiro lança o alerta de que pode haver mais bancos "na linha para serem resgatados" em Portugal. Quantos? Pelo menos três. 

"Pode haver o caso do BCP, da Caixa e de um banco mais modesto e que pode ficar caríssimo também"

Em entrevista à Antena 1, o antigo vice-governador do Banco de Portugal, ex-ministro das Finanças, antigo administrador da Caixa Geral de Depósitos e da Associação Portuguesa de Bancos defendeu antes, e a esse propósito, que o caso do Banif "devia ter sido muito melhor explicado".

Mais: o primeiro-ministro, António Costa, deveria ter interrompido as negociações sobre o banco. 

"A negociação devia ter sido feita com muito mais dureza. Havia pretexto para interromper a negociação!".

Salgueiro chega mesmo a questionar se não terão existido "cumplicidades" no processo do Banif, que culminou com a resolução e venda da parte boa do banco ao Santander.

Seja como for, dá o benefício da dúvida ao Governo. "Porventura Costa tem tido mais sucesso do que as pessoas imaginaram, o problema é saber se é convincente a nível internacional. Dou sempre o benefício da dúvida, sobretudo a pessoas que considero, mas em termos de probabilidades acho que é muito escassa".

João Salgueiro é, igualmente, o dinamizador do novo manifesto sobre a banca, que tem como objetivo adiar o prazo de venda do Novo Banco para 2019, e que junta personalidades como Manuela Ferreira Leite, João Ferreira do Amaral, Rui Rio e Freitas do Amaral.

Sobre a União Bancária, não usa meias palavras. Vai direto às críticas: "É um aborto! É um escândalo! É um desastre!". "Então há uma pastelaria que se porta mal e são as outras que pagam?", resume, usando esta metáfora, concretizando a seguir, dando o exemplo da Caixa geral de Depósitos: "Então agora é proibido ter empresas públicas?". O ex-ministro das Finanças e ex-presidente da APB condena Bruxelas por não permitir capitalizar a Caixa, sendo um banco público.