A presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Teodora Cardoso, alertou hoje que os salários em Portugal «não vão nunca subir muito» porque o país compete com outros onde os salários são mais baixos.

«Os salários não vão nunca subir muito. Portugal vai competir com países com salários baixos», alertou Teodora Cardoso, que trouxe às jornadas parlamentares do PSD, em Viseu, algumas ideias para o Portugal no pós-troika, o lema da reunião de deputados laranja.

Lembrando que as decisões orçamentais têm influência não só no ano do Orçamento do Estado em causa mas «em muitos anos seguintes», a presidente do CFP sublinha que deveria haver uma lei orgânica com os limites ao défice e uma regra na Constituição que limite os máximos de dívida do país.

Uma mudança de alguns impostos foi também sugerida por Teodora Cardoso, que apresentou nomeadamente uma ideia que passa por colocar os cidadãos a receber os salários e pensões numa conta poupança, sendo posteriormente taxados pelos levantamentos e movimentos bancários.

A responsável definiu também como essencial um entendimento entre o PSD e o PS em diferentes áreas.

«É necessário um conjunto de regras que terão de ser acordadas entre os dois partidos», disse.

As jornadas do PSD, que têm como lema "Portugal pós-troika, compromisso e sustentabilidade", contaram na sessão de abertura com a presença do presidente do partido e primeiro-ministro Pedro Passos Coelho.