A recapitalização da Caixa Geral de Depósitos foi aprovada ontem ao final da tarde pela comissária europeia da Concorrência, Margrethe Vestager, em negociações diretas com o ministro das Finanças, Mário Centeno, noticia o Público.

O valor imposto pela comissária, e aceite pelo Governo português, é de 2,7 mil milhões de euros para a recapitalização direta. Mas, no total das operações financeiras permitidas, a recapitalização da CGD poderá atingir os 4,6 mil milhões.

Com esta aprovação fica tudo a postos para o novo presidente da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues, e a nova administração tomarem posse antes do fim do mês, data em que cessa funções a anterior administração.

A recapitalização da CGD será composta por três parcelas. Uma é o investimento de 2,7 mil milhões. Outra é formada pela possibilidade de conversão dos 900 milhões que o Estado investiu no sector bancário aquando da intervenção da Troika (conhecidos como "cocos"). Estas duas parcelas perfazem os 3,6 mil milhões autorizados ao Estado. Mas o Governo português está ainda autorizado a lançar uma operação de venda de obrigações da própria Caixa Geral de Depósitos até um valor limite de mil milhões de euros.

Além de aprovar a recapitalização, a Comissão Europeia impõe na futura administração da Caixa tenha, no máximo, 15 membros.