O presidente da CCDRN disse hoje ter recebido a confirmação do governo de que os 35 milhões de euros para modernização da Linha do Minho são para obras a realizar até 2016 e não para trabalhos já feitos.

Contactado pela Lusa, Emídio Gomes garantiu ter recebido do secretário de Estado dos Transportes a confirmação de que as suas declarações em Santiago de Compostela sobre os 35 milhões para investimento até 2016 na modernização linha do Minho foram «absolutamente rigorosas».

Na segunda-feira o responsável revelou, em Santiago de Compostela, que o Programa Operacional de Valorização Territorial (POVT) havia aprovado o montante de 35 milhões de euros de investimento na linha a realizar até 2016.

Horas mais tarde, a REFER quis esclarecer que «estes 35 milhões reportam ao atual Quadro Comunitário de Apoio e, na sua maioria, são para financiar obras já concretizadas».

Hoje, porém, a REFER admitiu, em declarações à Lusa, ter havido um erro num email enviado ao presidente da CCDRN que terá originado as primeiras declarações de Emídio Gomes sobre um investimento futuro de 35 milhões de euros.

Os serviços de comunicação da REFER, confrontados com o email, distribuído por Emídio Gomes aos jornalistas, afirmaram ter constatado que ele continha um erro num quadro onde, como valor, só deveriam apresentar 65 milhões de euros divididos por duas fases e onde não deveriam constar os 35 milhões.

Em comunicado enviado horas depois daquelas declarações, a REFER vem porém dizer que «havia submetido a aprovação, no atual quadro comunitário (2007-2013), o montante de 35 milhões de euros relativos a investimento em obra a concretizar até 2016 na Linha do Minho».

«Neste mesmo contexto foi disponibilizada informação de detalhe ao Presidente da CCDRN, relativa aos projetos da Linha do Minho, sujeitos a candidatura do POVT, detalhando o faseamento, o montante, os principiais trabalhos e calendarização estimada para o projeto de modernização da Linha do Minho», refere o documento.

Acrescenta que «a concretização da obra está prevista em duas fases, a primeira das quais com a eletrificação até Viana, à qual se seguirá a modernização do troço Viana ¿ Valença, a concluir em 2017».