O valor médio da avaliação bancária aumentou 4,4% em junho, na comparação homóloga, para 1.112 euros/metro quadrado, informou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Segundo o último inquérito à avaliação bancária na habitação, no âmbito da concessão de crédito, o valor médio de avaliação bancária em Portugal fixou-se em 1.112 euros/m2, registando uma subida de 1 euro/m2 (0,1%) face a maio e um aumento de 4,4% (4,8% em maio) na comparação com junho de 2016.

Ainda na comparação homóloga, os maiores crescimentos verificaram-se no Algarve (8%), Alentejo (5,4%) e Norte (5,3%), com a Região Autónoma da Madeira a registar o menor crescimento, com 1,9%.

A variação em cadeia de 0,1% (idêntica a maio) foi justificada pelo aumento de 0,6% no segmento moradias (0,5% em maio), enquanto nos apartamentos o valor da avaliação bancária desceu 0,3%. O INE indicou que as maiores subidas registaram-se nas regiões Norte (0,5%) e Algarve (0,4%), enquanto a descida mais acentuada verificou-se na Região Autónoma da Madeira (-1,1%).

Nos apartamentos, o valor médio em junho foi de 1.158 euros/m2, refletindo uma descida de 3 euros face a maio, com os Açores e o Algarve a mostrarem os maiores acréscimos (2,4% para 1.135 euros/m2 e 0,7% para 1.387 euros/m2 respetivamente).

Face a junho de 2016, o valor médio de avaliação dos apartamentos aumentou 4,8% (variação de 5,3% em maio), tendo o Algarve e a Região Autónoma dos Açores novamente protagonizado variações mais expressivas de 8,8% e 8,6% (112 e 90 euros/m2), respetivamente.

Para os T2 (três assoalhadas) o valor médio por metro quadrado foi de 1.153 euros e nos T3 (quatro assoalhadas) o valor foi de 1.092 euros/m2.

Nas moradias, o valor médio fixou-se em 1.035 euros/m2 em junho, um valor 6 euros/m2 (0,6%) superior ao observado em maio, enquanto em termos homólogos, o valor médio aumentou 4,3%, o que compara com o crescimento de 4,8% verificado em maio.

As moradias de tipologia T3 e T4 registaram valores médios de avaliação de 1.006 euros/m2 e de 1.058 euros/m2.