O Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) já "emprestou" 12,2 milhões de euros, de uma linha de crédito de 50 milhões, para reabilitar edifícios destinados à habitação permanente sujeita a renda condicionada, estando a ser intervencionados 77 prédios.

Em Braga, na assinatura de um protocolo com a câmara municipal, a primeira a aderir ao programa Reabilitar para Arrendar - Habitação Acessível, o presidente do Conselho Diretivo do IHRU, Vítor Reis, explicou que o objetivo desta iniciativa é "dinamizar" a reabilitação urbana criando "rendas acessíveis".

O programa Reabilitar Para Arrendar - habitação Acessível tem por objetivo o financiamento de operações de reabilitação de edifícios com idade igual ou superior a 30 anos, que após a intervenção se destinem a fim habitacional para arrendamento sujeito a renda condicionada, (cujo valor é calculado pelo IHRU e em regra 20 a 30% abaixo do valor de mercado".

"O objetivo é poder ir buscar dinheiro a preços francamente bons para reabilitar edifícios", explicou Vítor Reis, salientando que o IHRU "não pretende com este programa fazer concorrência à banca mas preencher lacunas de mercado".

O programa, que tem o apoio do Banco Europeu de Investimento e disponibiliza uma linha de crédito de 50 milhões de euros, está já a atuar em 77 edifícios, espalhados pelo país, sendo mais 70% dos proprietários dos edifícios são participares e a média dos edifícios abrangidos ronda os 65 anos.

O crédito concedido por aquele programa abrange até 90% do valor da reabilitação, incluindo despesas de projeto, sondagens, estudos especiais, e é concedido por um prazo de 180 meses (15 anos), sendo que as obras têm que ser concluídas em 12 meses e é concedido um período de carência inicial de 6 meses.

"A única garantia exigida é a hipoteca do edifício", salientou Vítor Reis.

O IHRU disponibiliza um simulador das condições do programa no Portal da Habitação.