O simples ato de pagar um café com os trocos que tem no bolso pode passar à História dentro de algumas décadas, a avaliar por aquilo que acontece na Europa atualmente, em que a maioria dos pagamentos já são feitos por cartões de débito e crédito ou transações online.  Segundo dados do Banco Central da Suécia, as transações em numerário – notas ou moedas – constituem apenas 7% dos pagamentos na Europa. A carruagem que segue na dianteira deste comboio europeu é precisamente a Suécia, país onde os pagamentos com “dinheiro vivo” não excedem os 2% do total das transações comerciais.

Aliás, segundo a BBC, há cafés e restaurantes, em Estocolmo, que exibem um aviso: "Não aceitamos dinheiro", rejeitando o pagamento com dinheiro físico. Também nos transportes da capital sueca, há muito que um bilhete não é comprado com recurso a notas ou moedas.

Esta render da sociedade aos meios de pagamento virtuais levou o Banco Central da Suécia a vaticinar o fim do dinheiro em papel para daqui a menos de 20 anos. “A nossa avaliação é que o dinheiro continuará a circular na Suécia até aproximadamente o ano de 2030", disse à agência sueca de notícias TT, citada pela BBC, o porta-voz do Banco Central, Fredrik Wange.

Outros países nórdicos, como Dinamarca ou Noruega, seguem de perto o exemplo sueco.

Em Portugal, a rede multibanco fez 30 anos em 2015. A rede de caixas de Multibanco, o primeiro projeto da SIBS, foi lançada em 1985 com a instalação de nove equipamentos em Lisboa e no Porto.

Segundo dados da SIBS, em 2015 existiam cerca de 13.000 caixas de Multibanco e mais de 19 milhões de cartões em circulação, estando disponíveis mais de 60 funcionalidades.