Os cartões de crédito são úteis em inúmeras situações, mas podem, rapidamente, tornar-se num vício difícil de combater.

Claro que é um dos negócios dos bancos e, por isso, muitos cartões de crédito oferecem uma série de incentivos aos utilizadores como, por exemplo, responsabilização "zero" em caso de fraude.

De qualquer modo, será prudente selecionar os momentos em que utiliza o seu cartão e em que tipo de pagamentos.

O site norte-americano AOL sugere as dez situações em que será aconselhável deixar o seu cartão de crédito na carteira.

1 – Pagar as contas do mês

Se é habitual fazer contas para chegar ao final do mês, também deve ser quase irresistível utilizar o seu cartão para pagar a conta da luz, do telefone ou da televisão por cabo. Mas cuidado! Se não paga o seu saldo mensalmente, os juros cobrados farão com que as despesas mensais cresçam ainda mais, por isso, o melhor é evitar esta via.

2- Comprar um carro

As concessionárias são, geralmente, contra a utilização de cartões de crédito na compra de automóveis e, se insistir, o mais certo é que limitem o montante que pode pagar com o cartão. Segundo o AOL, nos Estados Unidos, as concessionárias pagam cerca de um a três por cento de taxas por cada operação deste tipo e por isso rejeitam-nas. O melhor será mesmo procurar financiamento para efetuar a aquisição se não consegue a opção de pronto pagamento o que, no caso de um carro, pode avizinhar-se difícil. O financiamento tem sempre um juro mais razoável que a utilização de um cartão de crédito.

3 – Empréstimos para estudantes

Pode ser muito tentador a utilização de um cartão de crédito que permita, por exemplo, o pagamento das propinas se, eventualmente, é trabalhador estudante - com algum rendimento - ou tem suporte financeiro extra. Nos Estados Unidos, nos casos dos empréstimos contraídos para pagar estudos, muitas instituições estatais não aceitam a utilização do cartão de crédito para saldar valores em dívida, embora o Estado aceite. Fica aqui o alerta, caso esteja a pensar, por exemplo, continuar a sua formação académica do outro lado do Atlântico.

4 – Terapia dos saldos

Acha que mais uma comprita anima? Talvez. Mas também aqui o dinheiro é rei. Se escolher este tipo de terapia. Utilize dinheiro. Não vai querer que o seu equilíbrio interior seja comprometido pelo desequilíbrio do saldo do seu cartão de crédito.

5 – Contas do médico

Neste caso é mais um alerta do que uma situação em que deve evitar o cartão. Atualmente o seguro de saúde é muito comum e, até aqui, tudo bem, mas há cuidados a ter. O AOL aconselha que é melhor ler todas as letras do seu contrato, até as mais pequeninas, no que toca às obrigações quando contrata um seguro de saúde para depois não ter surpresas desagradáveis. Além disso, a melhor forma de pagar menos pela sua saúde será, sempre, salvos percalços incontornáveis, começar pela prevenção.

6 – Saídas noturnas

Entregar o cartão de crédito um empregado de bar que, eventualmente, tenha menos escrúpulos e possa fazer uma clonagem do mesmo não é a única preocupação que, segundo o site norte-americano, deve ter na hora de sair à noite para “beber uns copos”. Quando nos estamos a divertir, por vezes, perdemos o controlo sobre os gastos, por isso o melhor é sempre utilizar dinheiro.

7 – Naquilo que não se consegue pagar logo

Os cartões de crédito, geralmente, oferecem facilidades enormes na compra e são ótimos para serem utilizados em aquisições de elevado valor - tipo um telemóvel, um televisor e tantas outras coisa apetecíveis e caras -  mas tenha cuidado. Utilizar o cartão para algo que não poderá pagar logo, a curto prazo, não é uma ideia muito inteligente, tendo em conta os encargos em que incorre.

8 – Pagar crédito com crédito

Não podemos descarregar o pagamento mensal de um cartão de crédito noutro cartão de crédito. Mas talvez já tenha caído na tentação de utilizar um adiantamento em dinheiro, de um cartão de crédito, para reforçar a sua conta bancária e pagar estes créditos. Atenção que o seu cartão de crédito não é uma ATM - caixa multibanco - e não deve ser utilizado como tal. Cuidado com as taxas.

9 – Compras por impulso

Está convencido que pode perder uma grande compra se não a fizer naquele momento específico? As marcas e as lojas são especialistas neste tipo de promoção que o podem deixar de cabeça perdida e pronto: utiliza o cartão de crédito. Espere, pelo menos, um dia e reflita se precisa mesmo do que ia comprar por impulso. Nove em cada dez vezes, diz o AOL a resposta é “não”. E já travou uma utilização desnecessária do cartão de crédito.

10 – Compras online

Se faz compras online, assegure-se de que o endereço de web tem “https” no início. Se não, é a sua deixa para ir comprar para outro site. De resto, comprar online deve exigir atenção da sua parte, no sentido de assegurar que a empresa a quem compra é recomendável e tem bons comentários por parte dos consumidores/clientes utilizadores.