O banco do Estado confirma “que foram identificados movimentos fraudulentos com cartões de crédito com origem no Brasil”. Fonte oficial da Caixa Geral de Depósitos (CGD) acrescentou ainda ao Dinheiro Vivo, que, de imediato, “foram desencadeados procedimentos com vista a garantir a sua regularização junto da rede internacional Visa, o que se encontra assegurado”.

Esta fraude foi detetada nos últimos dias, com clientes a serem surpreendidos com pagamentos que nunca fizeram, oriundos do Brasil. A CGD recusou dar informação sobre o número de clientes afetados, bem como sobre os montantes envolvidos, mas fontes contactadas pelo Dinheiro Vivo dizem tratar-se de milhares de pessoas.

Fonte oficial da CGD frisa, ainda, “que os interesses dos clientes não serão afetados por esta ocorrência”. O Dinheiro Vivo tentou ainda contactar a Visa, sem efeito.

Segundo o Diário de Notícias, nos últimos tempos têm surgido várias notícias nos meios de comunicação social brasileiros a darem conta de um novo método de fraudulento.

Os criminosos identificam-se como empregados de uma instituição financeira, ligam para casa das vítimas e perguntam-lhes se fizeram determinada compras. As vítimas não reconhecem esses gastos e o suposto trabalhador do banco avisa então que o cartão de crédito foi clonado, pede para que este seja cortado ao meio – mas mantendo o chip intacto – e entregue, imediatamente, a um estafeta. Com os dados na sua posse os criminosos gastam avultadas quantias. A chamada do banco só surge mais tarde mas desta vez alertando para a utilização fraudulenta.