A produção automóvel em Portugal voltou a cair em julho. A queda é considerável, de 13,5%, face a igual mês de 2016, sendo que a esmagadora maioria - 96,4% - é para exportação. O balanço é da Associação Automóvel de Portugal (ACAP).

Saíram das fábricas de automóveis nacionais 12.314 veículos automóveis ligeiros e pesados, menos 13,5% do que no mesmo mês de 2016".

Esta queda "arrastou a variação homóloga acumulada no período de janeiro a julho do corrente ano para a zona vermelha, embora aquela tenha registado uma diminuição de apenas 0,7%", cita a Lusa.

O resultado negativo registado em julho deveu-se à queda na produção de automóveis ligeiros de passageiros, já que os veículos comerciais apresentaram um comportamento positivo. A produção acumulada nos primeiros sete meses totalizou 93.704 unidades.

Exportações ajudam muito

A informação estatística relativa a julho confirma a importância que as exportações representam para o setor automóvel já que 96,4% dos veículos fabricados em Portugal tiveram como destino o mercado externo.

Esta situação, sublinha a ACAP, "contribui de forma significativa para a balança comercial portuguesa".

A Europa continua a ser o mercado líder nas exportações dos veículos fabricados em Portugal, com 84,2%, com a Alemanha a ter 18,8%, Espanha 14,9%, Reino Unido 11,3% e França 10,7%.

O mercado asiático, liderado pela China (10,3%), mantém o segundo lugar nas exportações de automóveis fabricados em Portugal.

Apesar de estarem a ser fabricados menos carros, as vendas estão a aumentar. O mercado automóvel voltou a ter um desempenho positivo em julho, ao crescer 12,2%. 

De resto, o aumento da venda de carros também está a ter efeito no aumento do crédito. Em maio, de acordo com os dados do Banco de Portugal, a subida mais destacada foi no crédito automóvel. Cresceu 31,9%, face ao mesmo mês de 2016, e foram pedidos 252 milhões de euros, sobretudo para compra de usados - Locação Financeira ou ALD.