A hipótese de ser convocada uma greve geral nos tempos mais próximos está completamente afastada por parte da UGT, garante o secretário-geral da central sindical, Carlos Silva, em entrevista à Renascença.

O líder da UGT diz temer uma rutura social, mas garante que a central sindical «tudo fará para tentar dominar os impulsos e as pulsões do movimento sindical».

Numa altura em que a central sindical comemora os seus 35 anos de vida, o seu líder reconhece que «foi um erro» ter aprovado as alterações ao Código do Trabalho.

Carlos Silva garante que se soubesse o que sabe hoje nunca teria sido candidato a secretário-geral da UGT