O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, disse esta quarta-feira que o Presidente da República lançou um «repto interessante» aos principais partidos, ao apelar a um «compromisso de salvação nacional» entre PSD, PS e CDS-PP.

Cavaco: Governo de salvação nacional e eleições em 2014

«É um repto interessante feito aos principais partidos portugueses. A ideia do senhor Presidente é que [os partidos] têm de se entender», defendeu Carlos Silva, em declarações à agência Lusa.

Realçando que «no seio da UGT» existem correntes socialistas e social-democratas, o secretário-geral da central diz ser natural que haja também esse entendimento a nível partidário.

«Se nós nos entendemos no movimento sindical, não vejo por que razão é que os partidos não se conseguem entender», sublinhou.

A mensagem de hoje de Cavaco Silva representa também, acredita o responsável da UGT, uma descrença no Governo formado entre PSD e CDS-PP.

«É o senhor Presidente da República que vem colocar uma tónica de alguma dúvida da capacidade que este Governo tem de levar avante as suas prerrogativas», considerou.

O Presidente da República propôs hoje, numa comunicação ao país, um «compromisso de salvação nacional» entre PSD, PS e CDS que permita cumprir o programa de ajuda externa e que esse acordo preveja eleições antecipadas a partir de junho de 2014.

Cavaco Silva considerou também «extremamente negativo para o interesse nacional» a realização imediata de eleições legislativas antecipadas.

A declaração do Chefe de Estado surgiu depois de ter ouvido todos os partidos com representação parlamentar e com os parceiros sociais e na sequência do pedido de demissão apresentado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, no dia 02 de julho.