O governador do banco de Portugal, Carlos Costa, considerou esta segunda-feira que as empresas portuguesas são, em média, mal geridas, e que as Pequenas e Médias Empresas (PME) são muito sensíveis a pequenos acidentes financeiros.

Portugal vai ter «taxas de inflação baixas» nos próximos anos

«As empresas portuguesas são, em média, mal geridas», disse o governador durante uma intervenção sobre as condicionantes do desenvolvimento sustentável numa união monetária, no XXIV Encontro de Lisboa entre os bancos centrais dos países de língua portuguesa, citado pela Lusa.

«A maior debilidade da economia portuguesa é os gestores, não são os trabalhadores», disse o governador, reconhecendo que, também por isso, as PME «são muito sensíveis a pequenos acidentes financeiros», o que, por sua vez, «influencia o balanço dos bancos».

Fazendo uma análise à economia nacional e às fragilidades das empresas, o banqueiro central considerou que «a primeira prioridade da política pública era converter crédito não bancário em capital e ver quais os incentivos ou obstáculos que dificultam esta conversão», lembrando que de acordo com os dados disponíveis, «as empresas preferem contrair empréstimos junto dos acionistas ou sócios em vez de irem ao banco ou fazerem aumentos de capitais».

Carlos Costa lamentou que os gestores das empresas, principalmente das mais pequenas e de tradição familiar, tenham relutância em mostrar as contas das suas empresas e em acolher novos sócios.

Para Carlos Costa, é necessário uma «transformação estrutural do tecido empresarial português» que otimize a utilização da capacidade produtiva instalada, que melhore o padrão de especificação intra sectorial e inter sectorial e que crie condições para atrair investimento direto estrangeiro.