O primeiro-ministro, António Costa, disse esta sexta-feira que o Governo não precisa de aguardar por mais relatórios do Fundo Monetário Internacional (FMI), da Comissão Europeia e do Banco Central Europeu (BCE) para capitalizar a Caixa Geral de Depósitos (CGD).

“Temos trabalhado muito intensamente, quer com as instituições regulatórias nacionais, como o Banco de Portugal (BdP), quer com as instituições regulatórias a nível europeu para a estabilização do nosso sistema financeiro, resolvendo aquilo que tinha de ser resolvido e que não podia ser mais adiado, capitalizando aquele que tem de ser o grande pilar da estabilidade do nosso sistema financeiro, que é a CGD”, afirmou.

Na cerimónia de assinatura do contrato de investimento com a Amy´s Kitchen, em Santa Maria da Feira, António Costa vincou que o objetivo do Governo é criar as “melhores condições” para que o sistema financeiro no seu conjunto possa encontrar estabilidade para fazer aquilo que é essencial, que é tratar das poupanças “de todos nós” e, simultaneamente, criar condições para financiar a economia.

“Creio que estamos no bom caminho para que isso possa acontecer, vejo empenho por parte das entidades regulatórias, vejo que as instituições europeias estão alertas para a necessidade de resolver o problema e acho que não precisamos de aguardar por mais relatórios do FMI, por mais relatórios da Comissão Europeia, por mais relatórios do BCE para fazer aquilo que há muito tempo devia ter sido feito e que, pronto, tem mesmo de ser feito”, sustentou.

O primeiro-ministro realçou que vai fazer com que as coisas sejam “devidamente” resolvidas para que a economia tenha condições para “respirar” e ser devidamente financiada.

E realçou: “Mesmo um tecido empresarial com elevados níveis de capital próprio não prescinde, certamente, de um sistema financeiro ativo e que possa ter condições de financiamento da economia e, isso, deve ser feito a nível europeu e a nível nacional”.