A Câmara de Aveiro decidiu retardar o pagamento da prestação de novembro do empréstimo que o anterior executivo contraiu na Caixa Geral de Depósitos, para conseguir pagar os salários.

O executivo presidido por Ribau Esteves aprovou uma mora no pagamento do empréstimo junto da Caixa Geral de Depósitos, contraído pelo executivo de Élio Maia para o saneamento financeiro da autarquia, fracionando o pagamento da prestação de novembro, superior a três milhões de euros.

O valor exato da prestação, 3.325.709,24Euro, vai ser fracionado em 456.261Euro a pagar em dezembro 2013, respeitante à componente de juros, 1.434.722,22Euro em janeiro 2014 e 1.434.722,22Euro em fevereiro, ambos de amortização de capital.

Segundo a nota informativa municipal, «as verbas disponíveis na tesouraria de novembro permitem apenas pagar 40% do valor necessário para os salários e a prestação do empréstimo bancário, deste mês».

Por outro lado, «existem entidades do Universo Municipal que necessitam de receber já este ano 2013 os valores de transferência financeira, respeitante ao reequilíbrio financeiro de 2013, nomeadamente a empresa municipal de transportes (MoveAveiro) e a empresa municipal do Teatro Aveirense (TEMA), dado que o seu deficit de operação não permite esperar por esse processo em 2014, nomeadamente para pagar os salários de novembro de 2013».

Na justificação da decisão afirma-se que «o processo de reestruturação financeira exige essa medida de emergência, tomada e implementada de imediato, para permitir resolver o grave constrangimento de tesouraria do mês de novembro, e honrar o compromisso de pagamento dos salários a todos os Funcionários da Câmara e das Entidades do Universo Municipal».