Os espanhóis do CaixaBank vão conceder uma linha de crédito de 400 milhões de euros ao Estado angolano, segundo um despacho de 16 de agosto, assinado pelo Presidente de Angola e a que a Lusa teve hoje acesso.

De acordo com o despacho presidencial, que aprova o acordo-quadro de financiamento, a concessão desta linha de crédito justifica-se pela necessidade de "diversificar as fontes de financiamento para a cobertura de projetos de investimentos públicos para o desenvolvimento económico e social do país", tendo em conta a crise financeira gerada pela quebra nas receitas do petróleo.

Esta linha de financiamento com o CaixaBank - que mantém um diferendo com a empresária angolana Isabel dos Santos, filha do chefe de Estado -, sobre a qual o despacho assinado pelo Presidente José Eduardo dos Santos não adianta mais informações além do valor, é explicada ainda pela necessidade de execução de projetos inseridos no Programa de Investimentos Públicos e "outros de interesse nacional".

O CaixaBank está a espera do desfecho da Oferta Pública de Aquisição que lançou sobre o BPI para controlar o banco português do qual é acionista o BPI.

Entretanto, a 22 de julho, a assembleia-geral do banco português foi suspensa por 45 dias devido a uma providência cautelar. Em causa o fato de, para já, não haver entendimento possível entre os acionistas que permita considerar os estatutos desblindados para dar seguimento ao processo de OPA. Ou fechá-lo de vez. Entre os acionista que não considera a opção de controlo do BPI pelo banco espanhol está a Santoro da empresária Isabel dos Santos.