O administrador-delegado do Caixabank, dono de 44% do BPI, considerou esta sexta-feira que cabe ao banco português «analisar e estudar as possibilidades de comprar o Novo Banco» em Portugal.

«Cabe ao BPI analisar e estudar a possibilidade de comprar o Novo Banco, tal como o Caixabank o faz em Espanha noutras operações, em que para umas avança e para outras não», declarou Gonzalo Gortázar, citado pela Lusa, ao ser questionado sobre se o banco catalão poderá entrar diretamente na corrida pelo Novo Banco, em concorrência com os espanhóis do Santander.

O mesmo responsável disse que o Caixabank «tem confiança (no BPI) e que, quando chegar o momento, terá a capacidade de decidir o que fazer».

Ressalvou, no entanto, que «ainda falta muito tempo», pelo que «há que ver como se desenrola este tema».

O presidente do BPI afirmou quinta-feira que, apesar dos prejuízos de 161,6 milhões de euros apresentados em 2014, o banco tem todas as condições e «acionistas fortes» para mobilizar recursos para a possível aquisição do Novo Banco.

Fernando Ulrich, que falava na conferência de imprensa de apresentação de resultados anuais do BPI em Lisboa, adiantou que tanto pode contar com os acionistas do BPI como recorrer ao mercado de capitais para apresentar uma boa proposta para o Novo Banco.

«A capacidade do BPI de investir no Novo Banco não depende de resultados e isso depende da capacidade do BPI para mobilizar investidores e, como consequência, contará desde logo com os seus acionistas e, se for necessário, com acesso ao mercado de capitais», adiantou Ulrich.