O PCP lamentou hoje que o Banco Central Europeua tenha voltado a decidir sobre matérias relevantes para o país como a nomeação do Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos, mas reiterou as críticas ao processo de nomeação dos administradores do banco público.

"Com esta decisão do BCE [Banco Central Europeu] se confirma mais uma vez que são as estruturas supranacionais que decidem sobre matérias relevantes para o país, neste caso sobre uma matéria que tem a ver com o setor bancário e com o principal banco nacional e ainda por cima o banco público", disse Jorge Pires, na comissão política do PCP, numa conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa.

O BCE apoio a escolha do Governo para o cargo máximo da CGD, mas com uma condição e um prazo. O Governo está aberto ao diálogo mas promete um braço-de-ferro até convencer o regulador de que ter António Domingues simultaneamente como novo presidente do conselho de administração e, ao mesmo tempo, da comissão executiva, é a melhor solução. 

O BCE aprovou também os 11 nomes propostos pelo Governo para a administração do banco, mas rejeitou outros oito, entre os quais o de Leonor Beleza, por excederem o limite de cargos em órgãos sociais de outras sociedades.