Os taxistas vão voltar às ruas para protestar contra a que dizem ser ilegalidade de operação de plataformas como a Uber e a Cabify. As organizações representativas do setor anunciaram uma nova concentração, em Lisboa, a 10 de outubro.

Hoje mesmo, ao início da tarde, o presidente da maior associação de taxistas, a Antral, anunciou que o setor está a preparar uma paralisação “prolongada”, de forma a pressionar o Governo a tomar uma posição perante a atividade de empresas como a Uber e a Cabify.

"Todos para Lisboa" foi o que pediu depois o presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos, que disse à Lusa que esse será o tema do protesto, cujos detalhes ainda vão ser acertados por esta entidade e pela Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros. Uma coisa é certa, para este representante:

Não pode ser apenas mais uma iniciativa, tem de ter consequências (...) Ouvimos várias pessoas dizer que é ilegal, mas depois ninguém faz nada. Estão a acontecer situações em que carros da Uber ocupam praças de táxi, por exemplo. É preciso parar os carros”

O responsável explicou que inicialmente o objetivo era realizar a ação até ao final de setembro, mas foi decidido - também em função da “sensibilidade” demonstrada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa - dar mais tempo de reflexão ao Governo e às instituições públicas, para que “alguém de bom senso” consiga reunir as partes interessadas para discutir a questão e “não impor soluções”.

Carlos Ramos destacou que o setor quer discutir a regulamentação das plataformas online, até porque também os taxistas têm serviços do género: “Estamos abertos a discutir para dar corpo legal às plataformas”.

No final de agosto, representantes dos motoristas pediram ao Governo a apreensão dos carros da Uber, alegando que as viaturas estão a circular de forma ilegal.

Foi mais uma etapa no braço-de-ferro do setor, que aí logo prometeu nova manifestação em setembro se nada fosse feito. Sabe-se agora que haverá concentração em outubro.

Há meses, em abril, milhares de taxistas protestaram em Lisboa, no Porto e em Faro.