Os ministros das Finanças da União Europeia reúnem-se esta sexta-feira, em Bruxelas, num encontro que deverá ser dominado por uma discussão em torno do futuro mecanismo de resolução dos bancos, que se prevê longa.

De acordo com fontes diplomáticas, a discussão poderá prolongar-se por muitas horas, dadas as diferenças ainda existentes entre os Estados-membros, mas é intenção da atual presidência lituana da UE avançar bastante neste dossier, em busca de um compromisso até final do ano (e da sua liderança rotativa do bloco europeu).

Há precisamente um mês, por ocasião da aprovação formal pelos ministros das Finanças da UE da legislação que cria o mecanismo único de supervisão para os bancos da zona euro, Durão Barroso salientou que era «urgente» avançar para o que classificou como o segundo pilar da união bancária, o mecanismo único de resolução dos bancos.

«Estas novas regras ajudarão a construir um setor financeiro estável, a restaurar condições de empréstimo justas na União Europeia e a garantir que são os bancos, e não os contribuintes, a pagar pelos seus próprios erros. Devemos aos nossos cidadãos mostrar resultados antes das eleições europeias de maio» de 2014, comentou na ocasião Durão Barroso.

A reunião de hoje do Conselho de ministros da Economia e Finanças (Ecofin) da UE segue-se a um encontro, na quinta-feira, dos ministros da zona euro (Eurogrupo), que ficou dominado pelo anúncio, por parte do governo irlandês, de prescindir de qualquer programa cautelar para sair do seu programa de ajustamento, na data prevista, em dezembro próximo.