Os ministros das Finanças da União Europeia vão fazer hoje, em Bruxelas, um ponto da situação sobre as negociações para a criação de um mecanismo único europeu de resolução de bancos.

Cerca de um mês depois do acordo alcançado pelos 28, em dezembro passado, o compromisso final para a criação do mecanismo de liquidação e resolução dos bancos em dificuldades, prosseguem as negociações entre o Conselho (Estados-membros) e o Parlamento Europeu, subsistindo ainda grandes diferenças entre as posições das duas instituições, embora o objetivo seja um compromisso final até março.

No dia seguinte ao acordo alcançado ao nível de ministros das Finanças da UE, o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho defendeu que, nas negociações ainda em curso, a União deve esforçar-se por «um compromisso mais alargado»,

designadamente um reforço do novo fundo de resolução dos bancos.

«A verdade é que julgamos que esse acordo [para a união bancária] precisa de ser melhorado na discussão que agora se vai travar com o Parlamento Europeu. Esperamos que alguns dos defeitos que ainda encontramos na solução que foi desenhada possam ser superados», afirmou.

No encontro de hoje, será também feito um ponto da situação sobre os preparativos para a entrada em vigor do mecanismo único de supervisão, (o outro pilar da união bancária) sobre o qual já há um acordo total.

A reunião dos ministros das Finanças da UE (Ecofin) segue-se a um encontro dos membros da zona euro (Eurogrupo), na segunda-feira, no qual foi discutido o programa de ajustamento português, mas ainda sem qualquer debate sobre a estratégia de saída, o que deverá acontecer apenas em março ou abril, pouco antes da conclusão do programa, prevista para maio.