A Estradas de Portugal (EP) vai investir 5,9 milhões de euros até 2016 na conservação dos 750 quilómetros de estradas e das 298 obras de arte que gere no distrito de Braga, anunciou esta quinta-feira a empresa.

Em comunicado, a EP diz ter adjudicado a obra ao consórcio de empresas Intevial, Gestão Integral Rodoviária, S.A. e a Cândido José Rodrigues, S.A., sediado em Guimarães, vigorando o contrato no triénio 2014-2016 e ficando o seu custo por quilómetro/ano 35,4% abaixo do contratado no triénio anterior.

Segundo adianta, as intervenções a executar abrangem a ¿regular requalificação e manutenção da rede rodoviária ao nível dos pavimentos, bermas e valetas, passeios, nós, intersecções, ilhéus e separadores, a reposição e adequação da sinalização e outros equipamentos de proteção e segurança rodoviária, a estabilização e conservação de taludes e da rede de vedação e a reparação e manutenção de obras de arte [pontes, viadutos e outras travessias]¿.

Também previstas estão ¿diversas atividades ambientais como poda de árvores e limpeza de terrenos adjacentes à plataforma rodoviária¿.

A EP salienta a ¿grande relevância¿ da redução nos custos por quilómetro no atual contrato, já que, na rede rodoviária a cargo da empresa no distrito de Braga, ¿o número de obras de arte (cuja manutenção requer maior especialização e conhecimentos técnicos) aumentou 56%, passando de 191 para 298¿.

¿Apesar deste grande aumento no número de estruturas especiais que requerem um elevado grau técnico na sua manutenção, o custo de conservação por quilómetro da rede EP no distrito de Braga baixou dos anteriores 4.090 euros anuais entre 2010 e 2013, para 2.641 euros/ano nos próximos três anos¿, destaca no comunicado.

Considerando que a realização destas intervenções de conservação corrente ¿permitem reduzir significativamente a necessidade de execução de trabalhos mais dispendiosos, profundos e causadores de maior impacto na circulação¿, a EP diz assegurar também um ¿maior rigor na gestão dos recursos, maior capacidade de resposta face às necessidades de intervenção e o controlo permanente dos resultados¿.