O PSI-20 encerrou em alta, tal como os outros índices europeus, beneficiando das palavras de Mário Draghi, Presidente do BCE, que cortou as previsões de crescimento económico, flexibilizou o programa de estímulos e garantiu que fará mais se a situação piorar.

O PSI20 fechou a ganhar 1,53%. A subida de 4,13$ das acções da Galp Energia foi a que mais ajudou.

O Santander cortou o preço-alvo da Galp para 11,5 euros, mas subiu a recomendação para 'Buy', de 'Hold'.

O índice nacional de referência encerrou com 15 das 18 cotadas positivas. Pela negativa, destaque para a queda de 2,83% do BCP, para 0,0583 euros. O Banif  encerrou estável e o BPI subiu 0,88%. Os investidores estão a equacionar os riscos associados à venda do Novo Banco, uma operação cujo sucesso seria importante para a estabilidade do sistema financeiro.

A EDP avançou 2,61% e a EDP Renováveis 2,06%. O operador postal CTT avançou 2,23%.

A telecom NOS subiu 1,37%. O CaixaBI disse que a rival francesa Altice está sob pressão para vender a Cabovisão e a Oni. Referiu que a estratégia da NOS permanece intacta, pois esta alienação não deverá alterar a actual dinâmica do mercado e força relativa dos players.

O conglomerado Semapa  ganhou 3,41% e a Ren  2,2%. No retalho, a Jerónimo Martins avançou 0,41% e a Sonae  0,81%.

O CaixaBI subiu o preço-alvo que atribui à Sonae para 1,55 euros, de 1,45 euros antes, mantendo a recomendação de 'Buy' pois prevê que a retalhista tenha capacidade para reverter a pressão competitiva sobre as margens e vendas.

O índice português encerrou a ganhar, mas com uma subida mais tímida que a maioria dos pares. O índice Eurofirst 300  fechou a subir 2,46%.