A Bolsa de Lisboa cai 1,6% e lidera as descidas entre as pares europeias, pressionada pelas quedas fortes da PT SGPS, da Galp Energia e da Banca, com o BPI a marcar o arranque da earnings season nacional.

As quedas dos títulos ligados à energia, como a Galp e a EDP são os que mais pesam no índice nacional, mas são as ações da PT SGPS que lideram as descidas percentuais, ao recuarem 6%.

De acordo com a Reuters, a brasileira Oi, na qual a telecom portuguesa detém 25,6%, fechou ontem a descer 1,9% na Bolsa de São Paulo, mas os ADR, cotados nos EUA, afundaram mais de 7%.

A Galp recua 2,5%, a EDP perde 0,6% e a EDP Renováveis cai 1,0%.

A EDPR anunciou ontem que a eletricidade produzida aumentou 3% em 2014, beneficiando de um aumento de capacidade instalada e da estabilidade dos recursos eólicos.

Na banca, o cenário é igualmente negativo, à exceção do Banif estável nos 0,0059 euros. O Millennium bcp cai 3,5% e o BPI desvaloriza 5%, no dia em que apresenta as suas contas, após o fecho de Bolsa.

Segundo uma Poll, escreve a Reuters, o BPI terá regressado a resultados positivos no quarto trimestre de 2014, alcançando um lucro de 22,5 milhões de euros (ME), com uma robusta recuperação homóloga da margem financeira e uma forte queda das provisões para crédito malparado.

Os analistas dizem, no entanto, que o banco enfrenta um crucial desafio estratégico após o aperto das regras europeias para a exposição a Angola: abdicar do controlo do rentável Banco Fomento Angola (BFA) e jogar forte na compra do Novo Banco para relançar os resultados em Portugal.

No mercado secundário de dívida, os juros das Obrigações do Tesouro (OT) portuguesas a 10 anos seguem estáveis em 2,37%.