O Deutsche Bank está a cair 6% em bolsa esta segunda-feira, tendo atingindo um novo mínimo histórico nos 10,62 euros. A explicação para a derrapagem é a notícia da revista alemã Focus ter de que Angela Merkel descartou a possibilidade de ajudar a instituição nas conversas com as autoridades de justiça norte-americana, que querem aplicar uma multa histórica ao banco.

O banco veio entretanto assegurar que vai resolver os seus problemas sem depender da ajuda de Berlim.

"(O presidente-executivo) John Cryan em nenhum momento pediu à Chanceler alemã (Angela Merkel) para o Governo intervir no caso das hipotecas junto ao Departamento de Justiça dos EUA. O Deutsche Bank está determinado a resolver seus desafios por conta própria"

O porta-voz do banco garantiu que "atualmente, não há questão de um aumento de capital. Estamos a cumprir todos os requisitos regulamentares".

Também o porta-voz de Merkel disse hoje que não há razão para especular sobre uma eventual ajuda do Estado alemão ao Deutsche Bank.

O tombo do banco em bolsa está a fazer a bolsa alemã, de Frankfurt, perder 1,9%. Também as restantes praças europeias estão a ser contagiadas por este pessimismo, com Paris a cair 1,6%, Milão a mesma coisa, Madrid 1,3% e Londres 1,2%. Lisboa tem a menor queda da Europa, cerca de 0,5%.

Os receios dos investidores prendem-se, também, com o primeiro debate entre os candidatos à Casa Branca, que acontecerá precisamente hoje. Os analistas antecipam que se Donald Trump tiver um bom desempenho na discussão com Hillary Clinton a volatilidade poderá aumentar nos mercados. As eleições, recorde-se, são a 8 de novembro.