A Bolsa de Lisboa terminou a sessão desta terça-feira em linha com as restantes praças europeias, mas liderou os ganhos, com uma subida de 1,56%, para os 4.923,10 pontos, graças ao comportamento de alguns pesos-pesados.

A Jerónimo Martins liderou os ganhos em Lisboa, com uma valorização de 4,7%, para 12,25 euros por ação, depois do governo ploaco ter limitado a um máximo de 1,3% a taxa a aplicar aos retalhistas. A JM é o maior retalhista da Polónia, através da sua participada Biedronka, e esperava uma taxa extraordinária de 2%, conforme tinha sido anunciado inicialmente pelo ministro das Finanças.

A Galp foi outro dos pesos pesados da bolsa nacional a contribuir para a subida do Índice PSI 20, por causa da expetativa de um acordo entre os membros da OPEP para reduzir a produção e, assim, secar o excesso de oferta no mercado petrolífero que continua a pressionar os preços do barril para valores dos últimos 12 anos.  A Galp valorizou 2,202%, para 10,120€ por ação.

A ganhar estiveram ainda os títulos da Pharol (1,732%), por causa dos processos contra os ex-responsáveis da Portugal Telecom, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Pacheco de Melo.

Também a subir estiveram os títulos da EDP (1,12%), que anunciou a compra de ativos de distribuição de gás em Espanha à repsol, por 116 milhões de euros.

Com nota negativa, as ações da NOS recuaram 0,603%, depois do Banco Barclays ter revisto em baixa o preço-alvo da telecom em 6,7% para 7 euros por ação. Os títulos da NOS fecharam a valer 6,59 euros.