A Bolsa de Lisboa foi das que mais subiu em toda a Europa, com o índice PSI-20 a ganhar 3,04% na última sessão da semana, para 5.716,30 pontos. Nas últimas três sessões os ganhos do principal índice da bolsa nacional somam 9%.

Lisboa seguiu de perto o comportamento das bolsas europeias, com Madrid a subir 3,08% e Paris a ganhar 3,07%.

Os investidores reagiram bem à entrega por parte do governo grego de um plano de austeridade, que torna mais provável um acordo entre a Grécia e os credores internacionais. Esse plano, que serve de contrapartida ao terceiro resgate pedido pelo governo de Atenas vai ser discutido durante o fim-de-semana.

Em Lisboa, o grande destaque vai para o BPI, que subiu 12% (para 1,154 euros), tendo sido negociadas cerca de 5,4 milhões de ações, mais do dobro dom que é habitual. Ainda no setor financeiro, o Millennium BCP subiu 4,3% (para 0,0803 euros) e o Banif recuperou 1,5% (para 0,0066 euros).

A Mota-Engil disparou 8,5%, para 2,492 euros. Gualter Pacheco, trader da GoBulling, disse à agência Reuters que a Mota-Engil “é dos títulos com maior volatilidade, nas quedas acaba por ser dos que mais cai, e nas subidas é dos mais fortes".

Entre os pesospesados do mercado, destaques para a EDP, que subiu 2,5% (para 3,5653 euros), para a Galp (subiu 2,1% para 10,620 euros) e Jerónimo Martins (ganho de 1,9% para 11,570 euros).
 
Outros títulos com fortes valorizações foram a Sonae (subida de 4,7%, para 1,237 euros), Teixeira Duarte (subida de 4,7% para 0,575 euros) e Altri (ganhos de 4,5% para 3,664 euros).

Os juros da dívida pública recuaram de novo, com a taxa das obrigações do tesouro a dez anos em mercado secundário a recuar ligeiramente para 2,87%.