A sessão desta terça-feira nos mercados ficou marcada por nova desvalorização dos preços do petróleo, para novos mínimos de mais de 12 anos. O barril de Brent chegou a negociar a 30,43 dólares, a reflectir o abrandamento da economia chinesa e a situação financeira da Arábia Saudita, totalmente dependente do petróleo.

Se na Ásia as bolsas fecharam negativas, na Europa as bolsas terminaram o dia em terreno positivo, com destaque para Frankfurt ( 1,77%), Paris (1,54%) e Lisboa (1,75%).
 

Empresas de papel disparam

 
A Bolsa de Lisboa foi impulsionada pelas fortes valorizações das empresas do setor do papel, acompanhando o desempenho das pares europeias.

A Altri ganhou 5,474% depois do Banco de Investimento Haitong ter levantado a hipótese de ser negociada uma fusão com a espanhola Ence.

Já a Portucel valorizou 3,791% depois do Departamento do Comércio dos estados Unidos ter fixado em 7,8% a taxa anti-dumping a aplicar às importações da empresa, um valor quatro vezes mais baixo do que o aplicado em agosto passado. A Semapa, holding que controla a Portucel, acompanhou os ganhos da participada e subiu 2,870%.

A contribuir para o bom desempenho do índice PSI 20, a Jerónimo Martins valorizou 3,930%, a beneficiar de expetativas positivas quanto às vendas preliminares do quarto trimestre de 2015. O grupo Jerónimo Martins obteve vendas líquidas de 13,27 mil milhões de euros no exercício de 2015, um crescimento de 8,3% face a 2014, anunciou a empresa após o fecho do mercado.

Apesar da forte queda dos preços do petróleo, a Galp terminou o dia na linha de água, com um ganho muito ligeiro de 0,299%, para 9,38 euros por ação.